O Cedro do Líbano


País do cedro, cujas folhas, unissexuais, estão acima do masculino e do feminino, seduzindo desse modo, o olhar de tudo e de todos.

 

Lendo o Cântico dos Cânticos ficamos sabendo que o rei Salomão “Fez uma liteiria de Madeira do Líbano” ao descrever a vinda de sua esposa querida do país do cedro, o Líbano, região de bosques, onde encontramos todas as árvores de incenso, de canela, cinamono, mirra, das belas montanhas,de um mar de um azul sem igual; onde convivem a antiguidade dos costumes e os requintes da civilização.

 

E um povo com uma enorme capacidade de renascer das cinzas, o que o faz um guardião de sua raízes milenares, força de sua identidade.

 

Líbano dos perfumes ,das pulseiras que fazem um som que ao fechar meus olhos até hoje penso que é minha mãe chegando, dos aromas do pão sendo assado, das especiarias, das canções de minha infância, das danças mais lindas que já vi. Das mulheres de olhos amendoados e falando francês. E de outras, camponesas, libanesas também, pelas montanhas subindo a pé, descalças, com roupas de tecido grosso de um colorido sem igual. Belas, cantando e conversando nesse idioma intenso e apaixonado.

 

Líbano da guerra, das mortes de gente inocente, de tantas crianças pelas ruas.

 

Líbano de meus ancestrais e sobretudo de Khalil Gibran Khalil.

 

"Um Grande cantor é aquele que canta nossos silêncios" (Khalil Gibran Khalil)


"Existem aqui somente dois elementos: a Beleza e a Verdade".
(Khalil Gibran Khalil)


A Beleza está no coração dos amantes e a verdade nos braços dos lavradores." (Khalil Gibran Khalil)