As Mil e uma Noites
"As Mil e uma Noites" são um conjunto de várias fábulas, inventadas e mantidas na tradição oral pelos povos da Pérsia e da Índia.

Quando lemos a versão completa de "As Mil e uma Noites", notamos que todas as histórias não ultrapassam o número de 281, desde a primeira versão ocidental, traduzida para o francês por Antoine Galland em 1704.

Clique na imagem a seguir e saiba mais sobre Antoine Galland

Mas e as 720 restantes?

Temos duas explicações completamente diferentes: A primeira é a de que cada história divide-se em vários capítulos. Logo, cada uma correspondendo a uma das noites, dariam mesmo mil e uma no total. contudo a segunda, diz que o número de mil e uma seria uma hipérbole, um exagero literário, a fim de indicar uma enorme quantidade de histórias.

Quem foi Sheherazade?

O sultão Shariar, após ter descoberto a traição de sua mulher com um escravo negro, decide cada noite dormir com uma donzela Virgem que será morta ao amanhecer. Contudo, a filha do Grão Vizir, Sheherazade, decide interromper esse ciclo e se oferece para o dia seguinte.Como era muito culta, além de bela, teve a idéia de narrar uma história que, quando estivesse no auge do suspense, parasse, alegando que o sultão deveria repousar para que não ficasse extenuado no dia seguinte. E assim Sheherazade foi adiando sua Morte indefinidamente.E por estar sob a ameaça constante de morte, ela injeta ao conto popular uma complexidade labiríntica.

Após mil e uma noites, o sultão já apaixonado, revoga a lei perversa.

Se você quiser saber mais sobre Sheherazade clique na imagem a seguir.

Nesse clássico da literatura árabe, encontramos obras-primas como "Ali Babá e os Quarenta Ladrões”,”As aventuras de Simbá “ e “Aladim e a Lâmpada Maravilhosa”.

Dança- 1001 Noches – Munique Neith e a Cia Yala Bina


clique na imagem acima

 

Lindo clipe de música e amimação De Aladim e Yasmine


clique na imagem acima

 

Para refletirmos: “Sheherazade é o símbolo da fala, ela sobrevive por ser uma contadora de histórias. Ela não é uma inventora intelectual, que parte do nada e cria um universo. É a herdeira e a usuária dos anônimos,do mercado da Medina, do bazar, dos viajantes,das caravanas.”
“Como narradora, ela está acima das circunstâncias perversas impostas pelo Califa. Ela tem uma grande força. Na prisão, Nelson Mandela fabulava. Se Ele não tivesse fabulado,não teria resistido. A fábula rompe as grades.por isso As ditaduras queimam livros. Fabular é ser livre. Somos livres quando criamos.

(Nélida Piñon)

 


by Karla