Gustavo Dourado

 

 


Escritor, poeta, cordelista, pesquisador, produtor/ativista/promotor cultural, gestor, jornalista, educador, apresentador, empreendedor.

Presidente da Academia de Letras de Taguatinga
Presidente Emérito/Conselheiro do Sindicato dos Escritores
Membro da União Brasileira dos Escritores
Cidadão Honorário de Brasília
Cidadão Honorário de Taguatinga

Professor, poeta, cordelista, ensaísta, articulista, escritor, jornalista, pesquisador. É baiano mas vive em Brasília há 36 anos. 

Autor de 13 livros. Premiado na Áustria e recomendado pelo World Poetry Day e World Portal Libraries, ambos da Unesco. Dourado foi objeto de tese de mestrado na Universidade Federal de Ouro Preto e de doutorado na Sorbonne e na Universidade Federal da Paraíba. Sua obra(principalmente o Cordel) foi discutida em várias universidades do Brasil e do exterior: Sorbonne(Silvie Raynal), Manz(Wolf Lustig), UnB(Michelle Sampaio), entre outras. Faz parte do Grupo da Memória da Educação do DF(UnB/SEEDF). Organizou o livro 40 anos de Educação no Distrito Federal, com ênfase na experiência do educador Anísio Teixeira. O seu site www.gustavodourado.com.br , o blog http://www.dzai.com.br/gustavodourado/blog/gustavodourado   a antologia poética www.ebooks.avbl.com.br/biblioteca1/gustavodourado.htm além de serem recomendados pela Unesco, aparecem com destaque no PageRank de páginas literárias do Google, Yahoo, MSN, Dmoz, Alexa e dos principais diretórios de busca do mundo.

Improvisador nato, repentista, cria, recria, inspira-se e transpira uma poesia transmoderna, pop, beat e apocalítica. Em 1980, Gustavo Dourado lançou seu primeiro livro: Tupynambarbarie. É, de lá pará cá, centenas de textos e poemas na Internet e as obras: Phalábora, Linguátomo e os cordéis da Transformação, Torquato Neto e da Criatividade. Participou também de várias antologias coletivas de poetas, entre elas Espejos de La Palabra (Espelhos da Palavra), Coletivo de Poetas e Poesia de Brasília. 

 


Foi entrevistado e/ou recitou poema/cordel na TV Globo (Jornal da Globo, DF TV), Globo News(J.10), SBT, Record, Band, CBN, Radiobrás/Nacional FM/TV, TV/Rádio Senado, TV Câmara , TV Brasília, TV UnB, Gazeta(SP) TV LBV, TV UnB. Foi entrevistado e/ou publicou texto/poema/cordel no Jornal do Brasil, Folha de São Paulo, Correio Braziliense, Jornal de Brasília, Jornal da Comunidade, AQUI DF, Revista Excelência, Cerrado Cultural, Bric-a-Brac, JBN, Se7e, Cronópios, Yage, Xicoatl, entre outros. Participa de várias coletâneas e antologias poéticas. Sua poesia está inserida em centenas de portais e sites na Internet. É verbete na Wikipédia e na Enciclopédia da Literatura Brasileira. Criou o portal Usina de Letras(1999), onde publicou gratuitamente milhares de autores do Brasil e de outros países. Foi presidente e é presidente emérito e conselheiro do Sindicato dos Escritores do DF. Presidente da Academia de Letras e Música do Brasil - Almub(2000/02). Presidente-Fundador da UBE-DF e representante da UBE-São Paulo. Membro efetivo da Academia de Letras do Distrito Federal, Academia Brasileira de Literatura, ATL, ALIPOL, AVSPE, ALI, ATDF e do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal. É pós-graduado em Educação, arte-educação, teatro, literatura e cultura popular, linguagens artísticas e gestão pública(ONU). Membro da Academia Internacional de Lutèce-Paris e da Academia Internacional de Cultura. Descendente de família de escritores, dos quais se destacam Autran Dourado, Ângelo Dourado, Alzira Dourado e o cartógrafo português Fernão Vaz Dourado,entre outros. Concluiu pós-graduação em Gestão Pública na Escola de Governo do Distrito Federal em Convênio com a ONU. 

Foi assessor de literatura do GDF(1995/1998), período em que coordenou o Fórum Permanente dos Escritores, Festival de Cinema, Poesia nos ônibus, Encontro com a Palavra, Classe Arte e organizou centenas de eventos culturais, recitais poéticos e lançamentos de livros em teatros, escolas, bibliotecas, cafés, bienais e feiras de livro. Criador da Estante do Escritor Brasiliense em bibliotecas, bares, restaurantes, cafés e espaços culturais do Distrito Federal. 

Foi produtor cultural de bares, cafés e restaurantes, como o Café Belas Artes e a Livraria Presença, onde promoveu  o célebre Almoço com o Escritor. Participou como autor, das Bienais do Rio e de São Paulo, das Bienais Internacionais de Poesia de Brasília e de Belo Horizonte e de encontros na Bahia, Paraná, DF, Minas e Goiás, coordenando por 4 anos consecutivos(1995/1998) o Real Expresso da Cultura, com a participação de dezenas de autores. Participou de centenas de palestras, recitais, congressos,simpósios, encontros, debates, seminários e fóruns de literatura em escolas, universidades e faculdades. Seu trabalho literário foi elogiado por Antônio Houaiss, Drummond, Ferreira Gullar, Glauber Rocha, Vladimir Carvalho, Mark Curran, Rachel de Queirós, Affonso Romano de Sant´Anna, Moacyr Scliar, João Antônio, Augusto de Campos, Haroldo de Campos, Darcy Ribeiro, Jorge Amado, João Carlos Teixeira Gomes, entre outros importantes nomes da arte e da literatura brasileira e universal. Escreveu o Cordel do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, publicado no portal da Secretaria de Cultura do Distrito Federal. Cordel para Mário Quintana, de sua autoria foi publicado no portal do Governo do Rio Grande do Sul. 

Participa dos filmes Rock Brasília, Vladimir Carvalho; Sob o Signo da Poesia, Neto Borges e de filmes de Jimi Figueiredo. É Cidadão Honorário de Brasília e da cidade de Taguatinga. Foi convidado pela Presidência da República do Brasil para escever um cordel para Ariano Suassuna(80 anos), que foi destacado na Intranet da PR/Palácio do Planalto, em 2007. 

Presidente da Academia de Letras de Taguatinga.

 


Posse de beneméritos e beneméritas da Academia de Letras de Taguatinga


A poesia de Gustavo Dourado


Revista Eletrônica do Instituto de Humanidades ISSN 1678-3182 



Prof.a Dra. Shirley de Souza Gomes Carreira- Editora

 

Há algum tempo tive a oportunidade de conhecer um escritor radicado em Brasília que tem sido visto como um dos expoentes do cordel contemporâneo: o cordel em meio virtual.

A mais nova faceta do cordel permite que os versos voem longe, além dos barbantes de outrora, pairando sobre terras distantes. Assim, fui apresentada à poesia de Gustavo Dourado, visitando sites de poesia na internet. Baiano de Recife dos Cardosos - Ibititá (região de Irecê)/Chapada Diamantina/Baixo Médio Rio São Francisco, Gustavo Dourado (Amargedom) viveu na Bahia durante 15 anos. Em Brasília há 36 anos, tem participado ativamente dos movimentos poéticos, ecológicos, cineclubistas, populares, sociais e culturais.

Gustavo Dourado é autor de treze livros, alguns premiados e com poemas traduzidos em vários idiomas. Professor de Português, Semiologia, Semiótica, Literatura, Linguística, Redação, Religião, Agropecuária, Cultura Popular e Folclore Brasileiro, lecionou na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes.

Entre suas principais obras estão:

Phalábora - 1997
Transformação - UnB - 1980
Linguátomo - 1991
Espejos de La Palabra / Espelhos da Pa lavra - 1999
Carmo Bernardes Imortal (versos de Amargedom) - 1996
Tupynambarbarie – 1984

ABC de Vladimir Carvalho - 2009

Brasília 5.0 Antologia de Cordel - 2010


 

Os poemas de Gustavo podem ser encontrados na internet nos sites de poesia, bem como em seu site e blog oficial

              http://www.gustavodourado.com.br/cordel.htm
              http://www.gustavodourado.com.br/

http://www.dzai.com.br/gustavodourado/blog/gustavodourado 

http://www.ebooks.avbl.com.br/biblioteca1/gustavodourado.htm

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sob o signo da invenção

Sob o signo da invenção, o baiano oriundo de família tradicional de Recife dos Cardosos - Ibititá (região de Irecê), Chapada Diamantina, mas residente há 36 anos em Brasília, Gustavo Dourado, de pseudônimo Amargedom, propõe-se a reinventar e, com tal intenção, envereda sua poesia pelos campos da ecologia, da informática, da política, da economia, do cinema, das artes gráficas, da semiótica, da crítica e da sátira, da ironia, da denúncia, da literatura de cordel, de muito mais e de tudo enfim procurando abrir brechas na vastidão de possibilidades que lhe oferecem as palavras e uma prole numerosa de signos icônicos e indiciais.

Trata-se de um criador multimídia, a movimentar um poderoso arsenal de recursos poéticos e transpoéticos, de inesgotável utilização dentro de sua determinação em desvendar os segredos do mundo e denunciar suas mazelas, fazer apologias e proferir julgamentos, inventando linguagens e postando-se em estado permanente de criar.

Não recua diante da necessidade de criação de novas palavras, por fusão, aglutinação ou justaposição, nem diante do caos em que porventura essa fertilidade resulte.

Quanto a isto, a terra é fecunda, por vezes apocalíptica.

Glauberrando, cinemagia, Rimbaudelaire, fonemastigando, termos colhidos a esmo, são apenas alguns exemplos, de que o verbo volpintar, usando o sobrenome do pintor italiano-paulista, impressionou o crítico de arte Olívio Tavares de Araújo. Poundiano, concreto, expressionista, pop, rótulos por certo não faltarão para pregar na testa de Amargedom, em quem Darcy Ribeiro viu "o faro, o ritmo, a vibração, a energia e a criatividade dos grandes poetas", e Affonso Romano de Sant'Anna, uma poesia a estilhaçar "ironias em granadas a granel, infinita e iluminada". Moacyr Scliar o qualificou como "expressão maior da cultura brasiliense".

COMISSÃO EDITORIAL SELO LETRAS DA BAHIA

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Brasília 5.0 – Antologia de Cordel

O escritor Gustavo Dourado lançou, na Biblioteca Nacional de Brasília, o livro Brasília 5.0 - Antologia de Cordel. A obra homenageia os 50 anos de Brasília com cordéis sobre a cidade e sobre nomes de destaque da cultura local, entre eles Vladimir Carvalho, Neusa França, Reynaldo Jardim, Stella Rodopoulos, Antônio Miranda, Dad Squarisi, José Santiago Naud, Toninho de Souza, Meireluce Fernandes, Serra Azul, Rômulo Marinho, Dinorá Couto, Nestor Kirjner, João Ferreira, Jorge Amâncio e Luiz Martins. E em memória de Cassiano Nunes, Ernesto Silva, Oliveira Bastos e Paulo Tovar. A antologia foi proposta pela vice-presidente do Sindicato dos Escritores do DF, Meireluce Fernandes. Trata-se de uma produção independente, realizada com o apoio dos escritores participantes, de professores, de jornalistas e de artistas da cidade. A capa foi desenhada pelo artista plástico Toninho de Souza.

O livro é prefaciado pelo escritor João Ferreira, doutor em filosofia pela Universidade Antoniana de Roma (Itália), pós-doutor em literatura portuguesa pela Universidade do Porto (Portugal) e professor titular aposentado da Universidade de Brasília (UnB). “Com a insistência de quem conhece a arte pela raiz, Gustavo Dourado tornou-se figura número um do cordel em Brasília”, destaca João Ferreira em seu prefácio. Segundo ele, já é constante na escrita do autor a tendência de abrir espaços criativos para as palavras, buscando o vanguardismo e a força maior da expressão. “Ele se coloca na esteira dos melhores brasileiros, desde o modernismo de 1922 para cá, com seus exemplares máximos na criatividade lexical como Mário de Andrade, em Macunaíma, Monteiro Lobato, em Urupês, e Guimarães Rosa em Grande Sertão : Veredas”, observa João Ferreira.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Poesia

 



Calliandra...



Ame suave acorde do sonho:
Adentre o ser feito quimera...
Morenua musa fada bailarina:
Flor do cerrado luz da primavera...

Navega sereia pelas águas da vida: 
Menina-Mulher deusa que encanta.... 
Nave voavoarvore que floresce: 
Lua serena que ilumina e canta... 

O poeta quer o sorriso da estrela: 
O sinal que o tempo anuncia... 
A voz da princesa que ecoa: 
O amor em forma de poesia... 

-----------------------------------------------

O tudo vem do nada o todo brota do vazio zen:
Das profundezas do Caosmos multiversam Seres...
Nuniversam eros plasmas sêmens óvulos sereias:
Angelicais explosões de cores sons cosmovisões...
Primaveras de galáxias germinam no inverno do tempo:
Homemulher...Mulheros...Divinatura Mãeterna Luztopia...
Miríades constelares de deusas faunos flores sinergias:
Estreluas astrovejam luminaves da eterna fantasia...

Gustavo Dourado

 

Língua!
Por(tu)guesa
errante


Lusídica rosa personalizada
Experimentalizo la langue
Nas ancas filo-lógicas do verso
Contrapasso-lhe no umbigo:
Baianauta barroco Gregório
Riobaldorim Casmurro Borba
Policarpideiro Caminha Drummond
Matias Aires, Bernardim Vieira
Machado! Motor-serra textual
Álvaro Ricardo Alberto metalingual.
Santa Cecília cancioneira
Murilo, Jorges, Sousândrade
Andrades, Campos, Bandeiras,
Serafim Ponte Grande Mira o Mar
Guímã-Rosa do Povo:
Bossa Nova: Tropicália.

Cobra Cabral Macunaíma...
Lima Barretom Jobim...
Rosa de Hiroshima.
Rosa das Minas.
Embaixador do Ser-Tao

 

Obra-prima.vera

Que venha a Prima Vera
Florgástica Luna Che...ia
Brotar o sêmen do prazer:
Germinartecer viverdejardinear
Sementear o gen
A gênesis do Amanhã. Ser...
Pássaroma
Soluar...
Livroarvorar folhas verdouras florais
phaunas mamazonas florésteas
Sal titã antes sereiaras pantaneiras
Nos djardins das megaláxias nuas
Sestreloas florridentes
Fluorescendeuses deusas sementeiras...

Que venha a vera prima
Estação primeira do sonho
Quimera que vem de Pégasus
Da magia das estrelas
Astrovejar relampeios
Corbelles rosas calliandras

Andorinhas...musas mulheres
Meninas primevas flores
Fadas nereidas salamandras
Constelares pitonisas
Su aves próseas em amor
Perfeitom as sempre-vivas:

Orqui dias
Violetras
Mar garritas
Borbolíteras

Gustavo Dourado

.

Sonhamante



Sonhamar com você um sonho divino:
Voar pelas espirais sem ter destino...
Beijar a tua língua e o céu da tua boca:
Transmutar-se em alchemia em viagem louca...

Fluir orgasmel pelos ventres das galáxias:
Plantar a semente de orvalho em tua taça...
Tecer embriões nos universos da fecundidade:
Lambusar as estreluas com o gen da divindade...

Gustavo Dourado

 

Abaixo estão os links dos site e blog desse Poeta que adora criar novas palavras em seu Uni-Verso mágico e que nos encanta a cada dia!

Karla Julia

www.gustavodourado.com.br
www.twitter.com/gustavodourado

Canção: "I´m confessing" Lizz Wright