Lágrima




Silente amiga, esvai-se em meu olhar perdido,
desliza, com carinho, em minha face lânguida.
toda a amarga tristeza, que eu tivesse tido,
vai sendo derramada na pura gota cândida.

E em meu vestido azul, bordados cristalinos,
miçangas douradas, essas contas preciosas,
minhas lágrimas caem – paetês divinos –
bordam em meu vestido, miríades de rosas...

Lágrima que ninguém vê, que ninguém sente não...
que é minha, para mim, em minha solidão.
que banha minha face, borda meu vestido,

É minha amiga agora... e o amor perdido,
a faz brotar tão abundante do coração.
ela nasce dos olhos, pousa em minha mão...

©Mírian Warttusch. Todos os direitos reservados

Canção: "Caçador de mim", 14 Bis