Do cajá ou Quereres de janeiro (c) Armando Licurgo da Silva



Do cajá quero o aqui e o já,
do amarelo o amar,
dele ainda quero o elo
que vejo com o ver de verde.

Do abacate quero a fertilidade
da cidade quero que ela se dê
do bobo quero somente rir!
De mim.. saberei em voce.

De ser quero apenas
ser um artífice, ser uma chama, ser um barco

Da jabuticaba quero o que não acaba
de janeiro o sabor vivo
destes passos sobre o chão molhado
quero saber que é lindo!

©Armando Licurgo. Todos os direitos reservados

Canção: "Todo azul do mar" 14Bis