Poema ao Sono da Bem-amada (c) Armando Licurgo da Silva



Olho seu corpo na penumbra...
Em sonho olhas o meu com desejos
meus sonhos te cobrem de beijos
enquanto minha alma ronrona
e sinto no encontro dos corpos...
o'encanto que há nos poemas
um balanço de mar requebrando
e outros milhares de temas.

E lá fora no vento, o tempo...
Intérmino voraz e voando
triturando a si e as horas...
impávido vai sem espanto.

Minha mão não sabe do tempo
mas sabe de ti e do agora
inocente apenas te acorda...
com as palmas cobertas de horas

E corro a boca em seu corpo
sem pressa suave e sedento
porque sinto agora e invento
que o nosso tempo é agora
que o tempo é nosso amigo
que não representa perigo
e que ele comigo concorda...

©Armando Licurgo. Todos os direitos reservados

Canção: "Georgia on my mind", Eric Clapton e Steve Winwood