MARGUERITE DURAS

Os primeiros romances de Marguerite Duras (1914-1996) são ainda textos tradicionais.Contudo em, "Un barrage contre le Pacifique", "Le marin de Gibraltar", "Les Petita Cgeveaux de Tarquiminia" e "Le Vice-Consul" vemos uma constante modificação em sua maneira de escrever. Ela também escreveu roteiros de cinema como "Hiroshima mon amour" e , de seu romance "L´Amant " uma verdadeira obra-prima.

Como não são capazes de se comunicar de verdade, suas heroínas vivem "sem saber por que", mas esperam que "alguma coisa saia do mundo e venha até elas". Diálogos de uma aparente inutilidade (L’Après-midi de Monsieur Andesmas, 1962), podem induzir a "essas soluções ambíguas e impossíveis de se deslindar" (Détruire, dit-elle, 1969) ou apresentam personagens atingidos "por uma fraqueza essencial e mortal" (La Maladie de la Mort, 1983).

Com L’Amant e L’Amant de la Chine du Nord (1991), a escritora retorna à China dos anos 30, para nos contar da contrtadição do gozo e da dor da morte quanto do desejo sempre de escrever, Yann Andréa Steiner (1992) é dedicado a seu último companheiro, um jovem com quem viveu os últimos anos de sua vida. Sua obra reúne quarenta romances, dez peças de teatro e filmes escritos ou realizados.

Abaixo um texto de Marguerite Duras que traduzi em seguida:

 

“Écrire”

“ La solitude de l´écriture c´est une solitude sans quoi l´écrit ne se produit pas, ou il s´émiette exsangue de chercher quoi écrire encore. Perd son sang, il n´est plus reconnu par l´auteur. Et avant tout, il faut que jamais il ne soit dicté à quelquer secrétaire, si habile soit- -elle, et jamais à ce stade-là donné à lire à un éditeur.”
“On ne trouve pas la solitude, on la fait.. la soliturde elle se fait seule. Je l´ai faite. Parce que j´ai decide que c´etait là que je devrais être seule, que je serais seule pour écrire des livres.”
“La solitude, ça veut dire aussi: Ou la mort, ou le livre.”
“Se trouver dans um trou, au fond d´um trou, dans une solitude quase totale et découvrir que seule l´écriture vous sauvera. Être sans sujet aucun de livre, sans aucune idée de livre, c´est trouver, se retrouver, devant um livre. Une immensité vide. Un livre éventuel. Devant rien. Devant comme une écriture vivante et nue, comme terrible à surmonter.”
 “C´est curieux un écrivain.C´est une contradiction et aussi un non-sens. Écrire c´est aussi ne pas parler. C´est se taire. Cést hurler sans bruit.”
“C´est l´inconnu qu´on porte en soi: écrire, c´est ça qui est atteint. Cést ça ou rien.”

Marguerite Duras, “Écrire”

 

Tradução:

“A solidão da escrita é uma solidão sem a qual o escrito não se produz, ou então se esmigalha, exangue de procurar o que escrever ainda. Perde o seu sangue, não é mais reconhecido pelo autor . E acima de tudo deve ser preciso que nunca seja ditado à uma secretária, por mais hábil que seja, nem entregue nessa fase, à leitura de um editor.”
“Não achamos a solidão, mas sim, a fazemos. A solidão, ela se faz sozinha. Eu a fiz. Porque decidi que era aqui que eu deveria estar só, que estaria sozinha para escrever livros.
“A solidão, quer dizer também: Ou a morte, ou o livro.”
“Achar-se num buraco, no fundo de um buraco, numa solidão quase  total e descobrir que só a escrita salvará você. Estar sem nenhum assunto para um livro, sem nenhuma idéia de livro, é encontrar-se, reencontrar-se diante de um livro. Uma imensidão vazia.Um livro eventual. Diante de nada. Como que diante de uma escrita viva e nua,assim terrível, terrível de ser superada.”
“É curioso um escrito. É uma contradição e também um contra-senso. Escrever é também não falar. É calar-se. É errar sem barulho”
“É o desconhecido que se carrega consigo: escrever é isso que é alcançado. É isso ou nada”

Marguerite Duras “Escrever”

Tradução:Karla Julia

 

 

Um dos meus filmes preferidos é "L´Amant", baseado no romance dessa fabulosa escritora, que lhe valeu o prêmio Goncourt em 1984 Neste livro, Duras nos fala da relação que teve com o homem que lhe ensinou o significado do prazer .O livro foi adaptado ao cinema em 1992 por Jean-Jacques Annaud..Com um roteiro esplendoroso, uma direção de arte espetacular e tendo os personagens de Duras não poderia deixar de ser fenomenal. Em seguir vejam no blog Liberdade Perfeita o trailer desse filme e um pouco mais da obra de Marguerite Duras.

"Fala-me, diz que soube logo, desde a travessia do rio, que eu seria assim com o primeiro amante, que amaria o amor, diz que sabe já que o hei-de enganar e também que hei-de enganar todos os homens com quem virei a estar."
( "O Amante", Marguerite Duras)

Karla Julia