VERMELHO

 



Cavalgo a noite vermelha
Sorvendo a música cortante e dolorida
De um distante violino.

O vinho escorre por minhas veias,
Aquece meu desejo.
Queima lentamente...
Gosto desta dor
Lancinante
Capaz de cortar como navalha
Expondo aquilo que não quero esconder.

A noite é vermelha como o vinho
E se derrama sobre a cidade tal qual
Pássaro noturno.
Voa rasante sobre mim
Se incrusta em minha pele.

Cavalgo a noite vermelha
Selvagem Amazona
De distantes eras
De idos tempos
Imemoriais.

©Helena Jorge. Todos os direitos reservados

 

Canção: Eros Ramazzotti, "Cose della Vitta"
.