OSWALDO ANTONIO BEGIATO 

AZULEJOS E LADRILHOS

Os azulejos de minhas escadas
São azuis, por isso são azulejos.
Os desejos de minhas escarpas
São leves, por isso são desejos.
Os beijos de minhas espadas
São doces, por isso são beijos.

Os ladrilhos de minhas escadas
São miúdos, por isso são ladrilhos.
Os andarilhos de minhas escarpas
São loucos, por isso são andarilhos.
Os rastilhos de minhas espadas
São vivos, por isso são rastilhos.

Quando azulejos e ladrilhos
Juntam-se no encontro reto
De horizontais e verticais
Fazendo espelho e movimento
De meus interiores miúdos,
Minha alma se faz bailarina...
...por entre escadas.

Quando desejos e andarilhos
Juntam-se na estrada curva
De decisões e fugas
Fazendo caminho e destino
De meus planos loucos,
Minha alma se faz campesina...
...por entre escarpas.

Quando beijos e rastilhos
Juntam-se na pólvora oblíqua
De temores e tempos
Fazendo fragor e paixão
De minhas inspirações vivas,
Minha alma se faz feminina...
...por entre espadas.

Jundiaí, em 6 de abril de 2.008
©Oswaldo Antonio Begiato. Todos os direitos reservados

Canção:"Summertime", Nina Simone