TONHO FRANÇA Sobre signos, céus, e destino....( profecias)


A tarde traz em rubras pálpebras
A eternidade-avermelhada
(suave nesga de cansaço)
Tece na pele do céu
As previsões que colhe no horizonte
Como se quase revelasse o destino dos homens...

Os astros guardam as dozes casas que ditam o mapa do céu...
Os signos tecem prefácios sobre manhãs que virão

O Mundo - arcano maior do tarô
E outras cartas falam sobre cores e traços do destino

Eu prefiro crer nas canções suaves das pálpebras cansadas das tardes
Onde ouço as vozes do mundo, na musicalidade improvisada das estrelas
Que sempre deixam em meus olhos traços de versos voantes
E a sensação de não haver sorte ou profecia,

A liberdade de não ter características pré-definidas
Seguir poeta, com mãos limpas, digno da poesia.


©Tonho França. Todos os direitos reservados

Canção: "Ruas de Outono', Ana Carolina