O PRIMEIRO POETA

 

 

Quero falar do primeiro sonhador...

Do romântico poeta, que antes de todos fez seu verso;

Não somente sonhou, como tornou real seu Grande sonho,

Criando, infindável, o Universo!

 

E em meio as trevas sombrias, que antes imperavam,

Tudo eclodiu, fantástico, esplendente!

E na explosão estrondosa, do imensurável “Big Bang”,

Galáxias bailaram em caracóis fulgentes!

 

Planetas e astros formaram as constelações

E demarcaram o céu em grupos majestosos!

Mas... Menina dos olhos de Deus, girou tão graciosa

A Terra Azul, com seus tesouros fabulosos!

 

Estava iluminado o Grande abismo...O primeiro dia nasceu...

Nasceu o Sol... Nasceu também a Estrela Matutina...

Florestas se fizeram verdes... Na encosta dos montes,

Jorraram veios de água cristalina;

 

Fontes de vida perene, termas, gêiseres, enfim,

Cascatas, rios e mares correram e se condensaram.

-Riqueza hídrica, um bem tão farto e precioso-

E nessas águas, doces ou salgadas, mil seres habitaram

 

Por entre ds arco-íris, abriram-se miríades de flores,

Saborosos frutos despontaram com fartura;

Rica, a biodiversidade emanou em cores,

Dando também som e forma a cada planta, a cada criatura.

 

O primeiro pássaro cantou... Um outro acompanhou...

E ouviram-se as vozes de tantos outros pequenos animais;

Serenata de cigarras... Rugir de grandes feras

Tudo formou-se com encanto... Deus sonhou demais!

  

Remanescentes do etéreo, ambiências diversas se criaram

Para a sincronia perfeita e sucessiva das Quatro Estações;

E assim, composta em versos sonoros, plenos de magia,

A sinfonia do amor estava escrita em notas e sermões.

©Mírian Warttusch. Todos os direitos reservados