"Ela gosta de harpa"

Dedico o poema a minha amiga Karla

Ela gosta de harpa
mas quem não gostaria
nela a alma embarca
vai a novas calmarias

das notas simples iluminadas
das divagações, harpejos, vida...
plangendo a corda pinicada
extraindo a nota mais bonita

a mão delicada da harpista
comunica a matéria morta
que ela se torne a pista

de uma música que conforta
e até se torna mística
e destas cordas a luz brota !!!

©Armando Licurgo. Todos os direitos reservados