Poesia não procuro

Poesia não procuro
Vem beco-sem-saída
Que tateio no escuro
E tatea-me a vida.

Impossível fazê-la
Somente de afagos
percalços de uma viela
E seus modos tão magos

são luzes de neblina
são sons do novo fado,
Passado numa sina,

Um caminho obrigado
Do beco de um poema
Que acaba inacabado...


©Armando Licurgo. Todos os direitos reservados