INDECIFRÁVEL

Sento-me à mesa de um bar

Buscando uma bela inspiração

Empunhando caneta... Papel à mão

Mais uma tentativa em vão



Pois bem, sempre quando tento...

Escrever algo sobre você,

Sinto-me inseguro, foge-me a explicação

Jamais conseguirei decifrar seu coração



É certamente, para mim, um mito

intransponível como as muralhas da China

indecifrável feito a esfinge do Egito

Criatura mítica que os sentidos domina



Às vezes madura, noutras menina

Um bocado mártir, outro tanto heroína,

Como qualquer mortal tem seu desatino,

através de seus atos constrói o destino



Nem sempre satisfeita com o que tem

Porém sábia sobre aquilo o que quer.

A este limitado Poeta, apenas convém

Curvar-se diante de ti e admirar-te, Mulher.

©Valter Montani. Todos os direitos reservados