Rajendar

 

 

Tanto silêncio que sons ferem seus ouvidos
Acostumou-se com a ausência dele, como se acostumou
a trancar portas e janelas para não ver a lua.

Entorpecida por sua perda,
perfumes não recendem mais a aromas de orquídeas
mas a cheiros azedos de saudade e desamparo.

Ainda se lembra das suas mãos ,
e dos seus versos onde lhe dizia o quanto a amava
Mas o destino coreografou sua dança
e tropeçaram no terceiro e último ato.

Ah! Mundo frágil,
incapaz de abrigar tamanha sintonia
E o terror voltou a acossá-los, lembrando que nesse mundo tudo é pecado
Será que ninguém sabe que o amor é sagrado?

Uma vez, fizeram o mais lindo poema de amor de todos os tempos
E naquele pedaço de papel, seu poeta
e ela,mulher intensa e profunda ,
deixaram suas almas e um campo semeado de estrelas

E o medo de tanta proximidade foi tamanho
que se separaram para sempre,
assim, de repente,
como quem diz vou ali e já volto.

Karla Julia

 

Canção:"Catavento e Girassol" Leila Pinheiro

 
 

Jenario de Fátima

Tonho França

Valter Montani

Oswaldo Antonio Begiato

Míriam Warttusch

Armando Licurgo

Maria Lucilia Cardoso

Diógenes Pereira de Araújo

Helena Jorge

Fátima Queiroz e sua Arte Digital

Meus Artesanatos, by Karla Julia

 



 
   
 

Campo de Orquideas by Karla
Valter Poeta
Liberdade perfeita
Oswaldo Begiato
Varal da Artes
Mírian Warttusch
Clara Luz do Meu Pensar
Eternal - Fractals
Universo na Poesia
Nivaldo Tavares
Mesa de Cantos
Mil Almas Inquietas
Poeta Cards
Retalhos de Poesia
Luz de Aldebarã
Filha do Sol
Cesar Andrade
Poética Digital