Untitled Document
Índigo num Céu de Concreto




Já sei, já sei, tempestades em copo d´água...
mas quando tudo parece que esmorece,
e volto ao Bing Bang, onde sem você me perco,
inquilina num cosmos frio e baldio
repito comigo: há um lugar onde ele irá me enterrar.

Eu sei, eu sei, dessa vez não tem volta não
Meu vestido novo não será usado nessa estação
vai virar peça de Nelson Rodrigues ou de algum leilão
E olha que agora, estou na mesma montanha em que estás
Vendo a mesma estrela e respirando o mesmo ar.

Nunca tive opção, mas jamais fui musa de um só verão
Fui aquela que viveu cada verso teu, e preencheu o vazio de tuas entrelinhas
e com a mão apoiada em teu ombro, voou no azul junto contigo

Pura poesia à procura do índigo em um céu de concreto
que nos abateu e nos quebrou a cabeça ,deixando-nos perdidos
no meio de um quebra-cabeça que acabou nos separarando
e onde a última peça, justamente, o PARA SEMPRE,
sei que hei de procurar desesperadamente...
...eternamente.

Karla Julia

 

Canção: "My Funny Valentine", Chet Baker






 
 

Jenario de Fátima

Tonho França

Valter Montani

Oswaldo Antonio Begiato

Míriam Warttusch

Armando Licurgo

Maria Lucilia Cardoso

Diógenes Pereira de Araújo

Helena Jorge

Fátima Queiroz e sua Arte Digital

Meus Artesanatos, by Karla Julia

 



 
   
 

Campo de Orquideas by Karla
Valter Poeta
Liberdade perfeita
Oswaldo Begiato
Varal da Artes
Mírian Warttusch
Clara Luz do Meu Pensar
Eternal - Fractals
Universo na Poesia
Nivaldo Tavares
Mesa de Cantos
Mil Almas Inquietas
Poeta Cards
Retalhos de Poesia
Luz de Aldebarã
Filha do Sol
Cesar Andrade
Poética Digital