Eu, fragmentada



Minha poética está em chamas
Por vezes dói tanto escrever
Que sinto as palavras me machucando.

Essa catarse do poeta muitas vezes é cilada
Mergulhamos mais fundo do que deveríamos
E a volta para a superfície raramente nos é possível

Minha poética muitas vezes não me convence
Me vence, me azucrina, não exprime o que sinto
E submeto-me às palavras, minhas algozes
Que mancham a folha branca misturadas ao pranto

Procuro saídas entre outras artes, catarses também
Mas todas pequenas para meus infinitos de tantões
E assim fragmentada, me encontro um pouquinho aqui
Outro pouquinho ali...

Mas nada nem ninguém conseguiu me re-unir mais do que tu.

Karla Julia

Canção:"Lisbela e O Prisioneiro", Caetno Veloso

 
 

Jenario de Fátima

Tonho França

Valter Montani

Oswaldo Antonio Begiato

Míriam Warttusch

Armando Licurgo

Maria Lucilia Cardoso

Diógenes Pereira de Araújo

Helena Jorge

Fátima Queiroz e sua Arte Digital

Meus Artesanatos, by Karla Julia

 



 
   
 

Campo de Orquideas by Karla
Valter Poeta
Liberdade perfeita
Oswaldo Begiato
Varal da Artes
Mírian Warttusch
Clara Luz do Meu Pensar
Eternal - Fractals
Universo na Poesia
Nivaldo Tavares
Mesa de Cantos
Mil Almas Inquietas
Poeta Cards
Retalhos de Poesia
Luz de Aldebarã
Filha do Sol
Cesar Andrade
Poética Digital